Interpretando os Resultados dos Dados.

Publicado: 08/03/2009 por Gun Hazard em RPG
Tags:, , , , ,

Interpretando os Resultados dos Dados.

Talvez por falta de ‘interpretação’ de texto muita gente associa a ‘Interpretação’ somente como ‘ação teatral’ ou ‘agir como o personagem agiria’ e esquece que em português interpretar também quer dizer:

interpretar

do Lat. interpretare

v. tr.,

– tornar claro o sentido de;

– explicar;

– traduzir;

– reproduzir o pensamento de;

– comentar;

– fazer juízo a respeito de.

Resumindo temos que interpretar também o resultados dos dados e aplicá-los ao jogo…

Para isso eu proponho algumas abordagens para se usarem as rolagens e as interpretações…

– – –

Método 1 (Intenção -> Rolagem dos Dados -> Resultado -> Interpretação -> Reação) [Mestre dá a Interpretação do Resultado]

Consiste no jogador descrever a sua Intenção, depois de definidos os parâmetros (dificuldades, modificadores, etc) é feito a Rolagem dos Dados. Por ela é definido Resultado, o sucesso, fracasso, ou margem entre eles.

Depois disto vem a parte de Interpretação (Ambas), olhando o Resultado podemos dizer o que ele representa, por exemplo, falhou miseravelmente, simplesmente errou por pouco, teve um sucesso comum ou algo assombrosamente impossível e depois o mestre dá a descrição conforme e explicação do Resultado e por fim a Reação que são as ações baseadas no resultado (informações recebidas, dano causado, etc).

Este método é certeza garantida de funcionar bem com praticamente qualquer teste feito. Desde que o Mestre tenha bom senso de arbitrar justamente a Interpretação de acordo com o Resultado, e é bom ele estar atento para a opinião do Grupo (Não um único jogador), quanto a isso.

Exemplo de Combate do Método 1:

– Jogador: “Vou pular pra cima da mesa e dar um chute na cara do hobgoblin!” (Intenção).

– Mestre: “Jogue saltar e depois o ataque”.

– Jogador: 15 no saltar e 17 no ataque (Rolagem de dados)

– Mestre: Verifica se os valores são suficientes e em que grau… (Resultado)

– Mestre: “Você consegue saltar em cima da mesa tranquilamente e a posição lhe permitiu dar um belo chute na cara do robgoblin!” (Interpretação).

– Mestre: “Vamos ver quão forte foi seu chute. Jogue o dano” (Reação).

Exemplo de Interação Social Método 1:

– Mestre: “Há um Vigia na porta que não deixa qualquer um entrar!” (Intenção).

– Jogador: “Vou me aproximar e dizer que tenho uma entrega para o Sr. Von Voith”.

– Mestre: “Jogue Blefar”

– Jogador: “Tirei 12” (Rolagem de dados)

– Mestre: Avalia o resultado que é uma falha simples (Resultado)

– Mestre: “Ele vira para você e diz ‘Não Recebemos nenhum tipo de encomendas neste endereço! Vá embora!’” (Interpretação e Reação).

– Jogador: “Vou tentar de novo: ‘Mas é só uma carta da Guilda de Ferreiros. Eles sabem que o Sr. Von Voith está aqui e pediram para entregar esta carta, pode me revistar verificar a carta e ver que não tenho más intenções’” (Intenção).

– Mestre: “Ok jogue diplomacia então”

– Jogador: “Yes tirei 18!” (Rolagem de dados).

– Mestre: Avalia o resultado que é um sucesso simples. (Resultado)

– Mestre: “Ele olha para você desconfiado, mas como sabe que os Ferreiros têm acordos com o contato citado ele diz: ‘Ok deixe me ver se você está armado e depois pode entrar, mas irá até ele acompanhado!’” (Interpretação e Reação).

– – –

Método 2 (Intenção -> Rolagem dos Dados -> Resultado -> Interpretação -> Reação) [Jogador dá a Interpretação do Resultado]

O Método dois é exatamente igual ao Método 1, com a diferença é que o jogador faz só uma descrição mais simples da intenção e os elementos que quer usar, o mestre define as dificuldades e mestre dá a liberdade do jogador descrever a interpretação com base no resultado.

Ele é mais indicado em situações onde os jogadores querem (e tem competência para fazer isto usando o Bom Senso) descrever eles mesmo os resultados de suas ações

Exemplo de Combate do Método 2:

– Jogador: “Vou pular usar ‘blefar’ para fazer ‘finta em combate’ e depois atacar” (Intenção)

– Mestre: “Jogue ‘blefar’ e depois o ataque”.

– Jogador: 19 no ‘blefar’ e 11 no ataque (Rolagem de dados)

– Mestre: Verifica se os valores são suficientes e em que grau e diz: “Você consegue blefar e seu ataque acerta o resultado em cima…” (Resultado).

– Jogador: “Enquanto ele estava avançando eu abaixo rapidamente e jogo areia nos olhos dele e me aproveito do fato dele ter ficado ‘tonto’ e acerto um golpe desesperado!” (Interpretação).

– Mestre: “Jogue o Dano” (Reação)

Exemplo de Interação Social Método 2:

– Mestre: “O Rei se nega a ceder o item que você precisam!” (Intenção).

– Jogador: “Vou testar Diplomacia”

– Mestre: “Jogue”

– Jogador: “Tirei 09” (Rolagem de dados)

– Mestre: Avalia o resultado “Não preciso dizer que você falhou por no mínimo uns 5 pontos?” (Resultado).

– Jogador: “Prezado Rei precisamos de tal item você precisa nos entregar” (Interpretação)

– Mestre: “Eu preciso te entregar? Eu não preciso fazer nada sou eu quem dá as ordens aqui!”(Reação).

– Jogador: “Vou tentar de novo: Vou tentar mostrar para ele que isto é o mais estratégico” (Intenção)

– Mestre: “Então jogue Conhecimento Guerras”

– Jogador: “Yes tirei 22!” (Rolagem de dados).

– Mestre: Avalia o resultado “é um sucesso muito bom”.(Resultado)

– Jogador: “Prezado Rei, se conseguirmos furar o bloqueio e levar o item até a cidadela vizinha poderemos voltar com reforços que podem nos livrar deste Cerco em que nos encontramos!” (Interpretação).

– Mestre: “Ele olha para você e diz: ‘Pelo visto o que você diz faz sentido, leve o item, mas caso não volte terá em mim um inimigo eterno…’” (Reação).

Note que o Método 2 necessita de mestre e jogadores muito mais entrosados e maduros.

No primeiro teste o jogador foi ríspido com o Rei, pois ele sabia que o resultado tinha falhado, se tivesse sucesso ele teria sido mais cauteloso com as palavras…

– – –

E a Interpretação do Personagem Pode Ser descartada por completo?

Como fica caso o jogador tenha tido uma boa idéia ou tenha tido uma interpretação excelente ao conversar com o mestre?

Bom o pessoal do “NO TEST” obviamente prefere NÂO FAZER TESTE, este artigo é para os que QUEREM FAZER TESTES.

Baseado nisto é bom lembrar que o jogador é quem define o que quer fazer ou não e é a sua ficha mais o resultado dos dados que define se ele consegue ou não.

Em jogos onde o aspecto social não existe em ficha ou testes como, por exemplo, o 3D&T é justo deixar o aspecto “Vale a Interpretação” rolar solta, mas em casos onde os aspectos sociais são todos previstos em ficha e testes como D&D, GURPS, WoD, etc. Não usar testes é ser injusto com quem colocou estes aspectos na ficha deles.

Então sendo bem Claro: “O QUE VALE É O RESULTADO DOS TESTES”

Cabe ao mestre a tarefa de Interpretar o Resultado dos testes e não da lábia do jogador.

Exemplo da imparcialidade 1:

Jogador é um cara bem carismático e de fala mansa, mas seu personagem tem em ficha o carisma e a delicadeza de um Rinoceronte (ah o personagem tem inteligência baixa também, mas o jogador tenta driblar isso tendo idéias boas).

– Num Teste para convencer o nobre o Rinoceronte joga uma idéia muito boa e de uma maneira agradável. (Intenção)

– Os resultados obviamente são catastróficos. (Resultados)

– Mestre: “Apesar de para você sua idéia ser sensata você não consegue passar ele com clareza e seus modos rudes fazem com que o nobre nem dê atenção para o que você fala”.(Interpretação e Reação dos resultados)

– Jogador: “Mas eu não fui Rude e eu te expliquei direitinho”

– Mestre: “Eu sei, mas seu personagem não consegue explicar direitinho e ele sim é muito rude…”

– Jogador: “Mas, mas, mas”.

– Mestre: “Você não colocou 18 na força e 04 no carisma e inteligência? Então porque você teria mais chance de convencer alguém que um outro personagem que tem Carisma maior? Você tinha uma Escolha e Escolheu ser Não Socializável “.

– Jogador: “Mas minha idéia foi melhor e mais bem executada!”.

– Mestre: “Então dá próxima vez faça um ficha condizente com o que você quer alcançar! E fim de papo!”

– – –

Mas também em defesa de idéias criativas e boas interpretações…

Minha sugestão é:

– Se a idéia do jogador faz sentido; se a Interpretação for muito boa ou favorável. Dê bônus ao jogador na hora de fazer o teste ou reduza a dificuldade do teste.

– Se a Idéia for muito ruim: ou a interpretação for inexistente dê penalidades nos testes ou Aumente a dificuldade.

Claro que quando será este valor vai depender do sistema e também do mestre e do grupo…

Minha sugestão é trabalhar só com dois parâmetros Bom/Ruim e Muito Bom/Muito Ruim

Ex: No caso do D&D 3.x eu sugeriria algo simbólico como +/-2 para sacos simples, e +/- 4 para interpretações e idéias magistrais.

(Infelizmente no D&D 3.x, tem uma péssima curva no que diz respeito a bônus VS dificuldades, mas fazer o quê?).

Exemplo de Como Aplicar o Bônus de acordo com os primeiros exemplos citados

Exemplo de Combate do Método 1:

– Jogador: “Vou pular pra cima da mesa e dar um chute na cara do hobgoblin!” (Intenção).

– Mestre: “Jogue saltar e depois o ataque”.

– Jogador: 15 no saltar e 17 no ataque (Rolagem de dados)

– Mestre: O Mestre Julga que o Fator surpresa do jogador de pular na mesa foi uma boa sacada e dá um bônus de +1 no ataque dele fora o bônus de +1 por estar atacando de uma posição mais elevada. (Avaliação segundo Interpretação e boas Idéias)

– Mestre: Verifica se os valores são suficientes e em que grau… (Resultado)

– Mestre: “Você consegue saltar em cima da mesa tranquilamente e a posição lhe permitiu dar um belo chute na cara do robgoblin!” (Interpretação).

– Mestre: “Vamos ver quão forte foi seu chute. Jogue o dano” (Reação).

Exemplo de Interação Social Método 1:

– Mestre: “Há um Vigia na porta que não deixa qualquer um entrar!” (Intenção).

– Jogador: “Vou me aproximar e dizer que tenho uma entrega para o Sr. Von Voith”.

– Mestre: “Jogue Blefar”

– Jogador: “Tirei 12” (Rolagem de dados)

– Mestre: Avalia que a idéia é fraca, pois realmente não são feitas entregas neste endereço e dá uma penalidade de -1 que efetivamente não muda muito, pois seria uma falha assim mesmo (Avaliação segundo Interpretação e boas Idéias).

– Mestre: Avalia o resultado que é uma falha simples “ (Resultado)

– Mestre: “Ele vira para você e diz ‘Não Recebemos nenhum tipo de encomendas neste endereço! Vá embora!’” (Interpretação e Reação).

– Jogador: “Vou tentar de novo: ‘Mas é só uma carta da Guilda de Ferreiros. Eles sabem que o Sr. Von Voith está aqui e pediram para entregar esta carta, pode me revistar verificar a carta e ver que não tenho más intenções’” (Intenção).

– Mestre: “Ok jogue diplomacia então”

– Jogador: “Yes tirei 18!” (Rolagem de dados).

– Mestre: Avalia que mencionar o caso da Guilda dos Ferreiros é um bom argumento, pois é verdade e também que a idéia de sugerir uma revista reforça o aspecto de inocência do jogador e resolve dar um bônus de +4 na jogada do jogador (Avaliação segundo Interpretação e boas Idéias).

– Mestre: Avalia o resultado que é um sucesso simples. (Resultado)

– Mestre: “Ele olha para você desconfiado, mas como sabe que os Ferreiros têm acordos com o contato citado ele diz: ‘Ok deixe me ver se você está armado e depois pode entrar, mas irá até ele acompanhado!’” (Interpretação e Reação).

Tá, mas e a 4ªed e os Skill-Challenges?

Eles continuam tendo uma mecânica ruim de testes-sobre-testes e Um challenge mais complexo era efetivamente mais fácil de se obter sucesso do que um simples, e as DCs estavam todas estupidamente altas, de uma forma praticamente impossível de se passar..

Mas caso o mestre queira usar assim mesmo basta aplicar o Método 1 nas Skill-Challenges, intercalando as interpretações entre os Resultados e assim estabelecendo o diálogo Teatralizado baseado nos resultados, em vez de só contar os sucessos e falhas.

PS: Tá vendo como também posso contribuir a favor da 4ª mesmo não gostando dela?

PPS: Há um tempo eu já havia refletido sobre o assunto mas não tinha posto no papel/bits, influenciado pelo brainstorm causado por um post polêmico do Valberto (Antes dele alterar o texto para esta nova versão), em que em uma parte e nos comentários (que também já foram apagados) é comentado sobre Testes e Interpretação, Resolvi fazer isto agora.

comentários
  1. Daniel Coimbra disse:

    Muito legal a questão do código de conduta, vou apresentar ao grupo.
    : )

  2. Gun Hazard disse:

    Obrigado Daniel, fique a vontade para participar inclusive aceito sugestões…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s